Sartre e o Existencialismo

Conteúdo

1. O Existencialismo é um Humanismo / 2. Concepções Existencialistas / 2.1 Angústia /2.2 Deus e o Ateísmo Existencialista / 3. Conclusão. 

sartre

O Existencialismo é um Humanismo

 

O existencialismo de Sartre é uma concepção psicológico-filosófica sobre uma dualidade: a consciência e o fenômeno; o ser para si e o ser em si. Existencialismo é um Humanismo é um opúsculo que busca rebater às criticas de sua filosofia que já houvera sido exposta.

Acusaram-no de ter perdido os valores humanos, de negar a solidariedade e a eternidade e de ressaltar o lado negativo humano. Essas críticas partiam de intelectuais, comunistas e católicos. Sartre, na realidade, considerou serem essas opiniões um contrassenso de pessoas que valorizavam mais a si próprias do que as outras, a fingir de caridosas.

Penso que Sartre criticava a negação da essência e não a própria essência, se essência for a própria realidade fenomênica das pessoas. Digo que aqueles que criticavam o existencialismo de Sartre eram os que haviam reconhecido em si mesmos a solidão, a concordar que a essência poderia ser mesmo existencialista.

O existencialismo é uma essência. Para não confundir com o que pensa o filósofo e o que acredita ser por parte dos discordantes, é necessário fazer uma divisão nos significados. Se essência for aquilo que precede tudo, a condição básica, o ser por ser, a chave dos mistérios; existencialismo é uma essência. A essência do existencialismo é o existir, o constante movimento e mutação de tudo ou, simplesmente, a comprovada existência de algo, o que é por ser.

O existencialismo é uma essência no sentido de que tudo o que existe é por si ou é em si como fenômeno. Tudo existe porque existe e cada qual é o que é numa existência, não importando o que o constitui, o que o fez, sua estrutura ou anatomia. As coisas simplesmente existem.

Em cada qual há sua essência, e no conceito de Sartre a existência precede a essência. Essência é vitalidade da coisa. Existência é a própria coisa, cada coisa por si mesma. Ser existencialista é deixar a essência para segundo plano. E, ainda que se considere o existencialismo como uma essência, necessário se faz considerar as duas coisas como distintas.

O existencialismo visa definir o que existe em suas condições básicas. Mostra que antes dessa definição fundamental ou, antes que o homem pudesse encontrar sua essência ele reconhece sua existência. É esse o ponto focal da obra em comento: existência precede essência.

Concepções Existencialistas

 

  • O homem é.

  • O homem projeta de acordo com seu querer o ser. No entanto, seus projetos são seu futuro e o que faz de si mesmo, pois a vontade do homem é de menor expressão diante das possibilidades.

  • O homem é responsável por si mesmo.

  • A responsabilidade é uma angústia para aquele que a todo tempo faz sua escolha.

  • O homem, consciente de si mesmo é responsável e livre; não há como se desculpar no outro ou nas próprias paixões, a não ser assumir sua responsabilidade. Não existe determinismo cristão ou natural.

  • A realidade não existe senão na ação.

  • O homem decide sobre si mesmo, porém, buscando sua libertação, sua realização fora de si.

 

Angústia:

 

“De fato, na minha opinião, a angústia é a ausência total de justificativas e, simultaneamente, a responsabilidade perante todos” (Sartre, 1987, p. 22).

 

Deus e o Ateísmo Existencialista:

 

“O existencialismo não é tanto um ateísmo no sentido em que se esforçaria por demonstrar que Deus não existe (…). Não que acreditemos que Deus exista, mas pensamos que o problema não é o de sua existência; é preciso que o homem se reencontre e se convença de que nada pode salvá-lo dele próprio, nem mesmo uma prova válida da existência de Deus” (Sartre, 1987, p. 22).

Conclusão

 

A realidade é uma constante ação. O homem realiza a todo tempo. Sartre não admite a natureza e a essência (essa somente a posterior à existência) porque não admite a causalidade e a universalidade. O que existe é a condição e o engajamento. Condição no sentido em que o ser humano nasce em certas condições. O filho do proletário não nascerá burguês. Engajamento é a responsabilidade pela humanidade, o fazer por si dentro de um mundo que fora de si não é só seu. Assim, as escolhas são sempre pessoais, subjetivas e não deixam de refletir no mundo.

Tal é a filosofia de Sartre que vê o existencialismo como busca da verdade e não de esperanças. Seu pensamento é uma realidade concebida na existência individual do homem. O cogito de Descartes é essencial para considerar o existencialismo, pois existir ou a consciência de ser alguém dentre outros é fundamental e muito mais necessário do que conhecer a essência.

Obra Citada

Sartre. (1987). Existencialismo é Um Humanismo. São Paulo: Nova Cultural.

 

Anúncios

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s