Elevação Espiritual e Disciplina

FORMAS E MÉTODOS DAS FILOSOFIAS MÍSTICAS

Disciplina não é só a matéria que se estuda em sala de aula, mas também a observância de regulamentos para a boa ordem.

Na disciplina espiritual o aspirante, buscador, aluno, neófito ou adepto busca o melhor ou mais conveniente método para si ou ainda usa-se do método da Escola que segue, p. ex., a Rosacruz. Read More

Anúncios

Desenvolvimento Espiritual de Mediação II

 

DOUTRINAÇÃO

 

“Nossos pensamentos geram nossos atos e nossos atos geram pensamentos nos outros.”

“Mediação entre dois planos diferentes, sem elevação de nível moral, é estagnação na inutilidade.”

“Não basta ver, ouvir ou incorporar Espíritos desencarnados, para que alguém seja conduzido à respeitabilidade.”

(Nos Domínios da Mediunidade – Cap. 13: “Pensamento e Mediunidade”).

 

Esta citação do livro psicografado pelo médium Chico Xavier é uma prova de que os espíritos manifestantes nos centros espíritas, seguidores da linha de pensamento codificada por Kardec, prezam pela elevação moral e esta, mais que tudo, seria a razão do advento do espiritismo.

Nisso se baseia o espiritismo: doutrinação moral. Isso não é ruim nem bom. O que é a moral para os espíritos, e o que ela é para os homens? Muita coisa, a depender da consciência e do nível de conhecimento e vivências de cada indivíduo. Portanto, não concordo com a doutrinação, pois assim o espiritismo não se diferencia das demais religiões, há doutrina; há processos litúrgicos que devem ser seguidos; há uma formação de evangelistas e médiuns espíritas, um caminho a ser seguido com bases fixas. Read More

IMAGINAÇÃO – SARTRE

imagination

Logo no início de Imaginação, obra do autor ao qual me proponho estudar, percebe-se quais os desdobramentos que vai tomar o livro perante o problema que tenta solucionar. Imaginação seria um problema de imagem, um contraste a ser resolvido entre imagem-coisa e imagem-pensamento.

A priori, afirma que imagem e objeto são coisas distintas, “a imagem é uma coisa, exatamente igual à coisa de que ela é imagem” (Sartre, 1987, p. 36). Ou seja, a imagem é essência e existência ou ainda existente em dois planos, existe como o objeto de que é imagem.

Em primeiro plano, não deixando de considerar o que pensa Descartes, Leibniz e Hume, o autor traça uma perspectiva. Entende que imagem e imaginação são concepções antagônicas. Sobre imagem, vale dizer do mecanismo cerebral em que se processa a imagem ou o objeto da imagem. Ademais, essa seria a preocupação de Descartes “separar com exatidão mecanismo e pensamento” (1987, p. 39). A imagem é o “limite da exterioridade”. Não é animada na consciência, é um mecanismo fisiológico. Read More